30 julho 2010

Fim da semana....inicio do descanso?

Sexta-feira é muito bom, venho até um pouco mais animado para o trabalho. Antigamente eu começava a semana meio desanimado e chegando próximo da sexta-feira começava a ficar mais animado. Acho que tudo começa com aquela musiquinha do Fantástico, quando ela começa vc já sabe que o fim de semana acabou e logo chega a segunda-feira. A semana vai passando e quando chegava a quinta-feira eu já estava bem animado e na sexta era só alegria.
Hoje mudou um pouco, eu começo a segunda bem mais desanimado que antes, quando chega na quinta ainda estou desanimado e na sexta dá uma alegria um pouquinho maior. Sei que o final de semana chegou mas sei também que mais rápido do que penso logo vem a segunda. É normal que as pessoas com TOC desenvolvam outros tipos de patologias, co-morbidades, como: tiques, depressão, transtorno do pânico, transtorno bipolar, etc. então acho que é normal esse desânimo.
Não tenho muita vontade de sair de casa, não somente para vir trabalhar como para passear também. Sempre estou desanimado com algo e se tento fazer alguma coisa fico desanimado porque o TOC não me deixa, se desisto de fazer para não ter que enfrentar o TOC também me desanimo porque nem tentei. Uma coisa que me pergunto é: como posso ter depressão se tomo anti-depressivo que também atua como anti-obsessivo?
Para muitas coisas não temos resposta e acho que essa é apenas mais uma delas. Talvez o óscio seja um inimigo tão grande que por mais anti-depressivos que vc tome não há como não ter nem uma leve depressão meio a tanto óscio.
Outra coisa que pode trazer a depressão é a cobrança que o portador de TOC se faz. Ele é muito rígido consigo mesmo e vive se cobrando para fazer as coisas perfeitas e para sempre estar fazendo alguma coisa de útil. Para mim descansar não é fazer algo, pelo menos não algo de útil. Muitas vezes não enxergo que descansar, assistir a um filme também é fazer algo, só que algo para o meu bem-estar. Acabo encarando isso como óscio e logo procuro algo para fazer senão me sinto inútil e com isso faço mais rituais meio a essas tarefas que arrumei e fico mais cansado ainda.
Nada melhor para todas essas neuras que o próprio fim de semana né? Mas o tão esperado fim de semana e tempo para descanso acaba se tornando tempo de tormento. Como não estou trabalhando me cobro para fazer o máximo de coisas possíveis em casa pois logo chega a segunda e aí sim não terei tempo de fazer mais nada. Mas vamos ver se consigo pelo menos um fim de semana sentar e fazer algo produtivo,  tipo: fazer NADA! :)

3 comentários:

  1. Li esse seu comentário e vi que também tenho esse "perfeccionismo" de sempre estar querendo fazer algo útil. E é meio contraditório isso, pois sabemos que assistir televisão, ouvir uma música também são formas para descansarmos ficarmos mais em saudáveis para a luta do dia a dia.

    ResponderExcluir
  2. Como eu vos compreendo... não faço nada todo o fim-de-semana. Passo-o, pensando o que poderia fazer... mas, fazer o quer que seja desencadeia-me tal mau estar que nem tente. Assim, passo o fim-de-semana tonta por nada fazer a não ser render-me, inconscientemente, aos intrusivos. No Domingo à noite as tonturas têm tendência a diminuir... Costumo confiar na adrenalina de segunda de manhã que torna possível a chegada ao trabalho. Quando termino uma segunda fico aliviada porque descobri, mais uma vez, que ainda consigo reagir ao instinto de sobrevivência...
    Será fácil, para vós, compreenderem, o que são férias para mim...
    Nestas não aguentei... acabei de baixa médica.
    Triste, mesmo!
    A minha mãe conviveu, hoje, com um menino com TOC... telefonou-me e disse que conseguia ver o seu sofrimento. Então acabou por dizer que sabia que para nós era muito mais difícil sermos felizes, apesar de ela não fazer a mínima ideia do que é isso do TOC... aliás ela é uma pragmática que não me compreendendo, aprendeu a respeitar a minha doença, e este é um dos motivos pelos quais tenho tanta admiração por ela!

    ResponderExcluir
  3. Lembra o que eu te escrevi outro dia: "Dolce far niente!"? A doçura de não se fazer nada!

    ResponderExcluir